top of page
Buscar
  • Lhivros e Arthivismo

Teatro - O RAPAZ DA RABECA E A MOCA REBECA - Jose Mapurunga

O espetáculo “O rapaz da rabeca e a moça Rebeca” foi encenado na Tenda da Ciência Virgínia Schall entre 2015 e 2017, sendo visto por 3.712 visitantes. A peça é encenada em formato de arena, com diferentes elementos que remetem ao universo do cordel e do Nordeste, como figurino colorido, texto rimado e música típica cantada e tocada ao vivo.



Quatro atores interpretam os quatro personagens da peça: o narrador, João Tapeba, Rebeca Wanderlei e seu pai, Visconde. Na história, que se passa na cidade fictícia de Cantinguba-dos-Aflitos, os Tapebas, pobres, não podem se casar com os Wanderleis, ricos. No entanto, João e Rebeca se apaixonam e vivem um amor proibido, contra a vontade do Visconde.


No primeiro encontro do casal, Rebeca, que sempre carrega consigo um preservativo, saca da roupa uma camisinha e entrega a João. Ao flagrar os dois, Visconde expulsa João da cidade. Antes de partir, ele promete voltar e casar-se com sua amada. Rebeca decide, fielmente, esperar por ele. Tocando sua rabeca pelo mundo, João torna-se um músico famoso. Nesse período, ele tem relações sexuais sem preservativo, é infectado pelo HIV e acaba desenvolvendo a Aids. Quando retorna a Cantinguba-dos-Aflitos, sua doença torna ainda mais difícil a aprovação do relacionamento pelo Visconde.


Contudo, a aparição de um ser divino, o Pavão Misterioso, leva a todos a mensagem de que a aids não é uma maldição, tampouco sentença de morte ou castigo, e que não se deve ter preconceito em relação à doença, ou ao vírus. A fala do pavão transforma Visconde, fazendo-o compreender que sua filha poderá se casar com João e não se infectar, contanto que o casal se previna. Visconde, por fim, cede, oferece um pacote de preservativos para a filha e abençoa o casamento.


O texto da peça é construído com base na tradição repentista, podendo ser facilmente montado com poucos recursos. Ela pode ser assistida pelo link abaixo, que registra uma montagem apresentada em 2018 no Museu da Vida.



Texto: José Mapurunga

Direção: Leticia Guimarães


9 visualizações0 comentário

ความคิดเห็น


bottom of page